15 de dez de 2015

(Resenha) Princesa Mecânica.

Olá, leitores.
Como vão?


Antes de tudo, lhes escrevo isso, completamente desidratado.
Motivos? Princesa Mecânica, terceiro e último volume da trilogia da Cassandra Clare, As peças Infernais, baseada também no mundo de Caça às Sombras, que tanto rendeu boas críticas por aí (e por aqui, já que como sabem, os primeiros livros Anjo Mecânico e Príncipe Mecânico foram favoritados, e ganharam nota máxima).

Sem mais delongas, vamos lá?

AS PEÇAS INFERNAIS NÃO TÊM PENA. AS PEÇAS INFERNAIS NÃO TÊM ARREPENDIMENTO. AS PEÇAS INFERNAIS NÃO TÊM NÚMERO. AS PEÇAS INFERNAIS JAMAIS DEIXARÃO DE VIR.

(Resenha) Princesa Mecânica, Cassandra Clare:




 Antes de tudo, digo que: NÃO TERÁ SPOILER.

Também vou deixar aqui, para vocês, o link clicável para caso de quererem ver as resenhas dos dois primeiros livros, Anjo e Príncipe Mecânico, que, já foram resenhadas aqui no blog.




Antes de tudo, devido aos acontecimentos do primeiro e do segundo livro, Tessa se vê em perigo, sabe que o Príncipe Mecânico a quer, e fará o possível e o impossível para consegui-la, e como se isso não fosse o bastante, Jem está cada vez pior. A doença está cada vez deixando-o mais impossibilitado, e o estoque da droga que o mata, mas ao mesmo tempo o deixa vivo para morrer lentamente desapareceu, as suspeitas caem em Mortmain, que provavelmente estocou toda a droga que Jem precisa para continuar vivendo a morrer lentamente, e Tessa imagina que ele tentará um acordo: a droga que mantém Jem vivo, por ela, que, de certa forma, também o mantém vivo.

Com o desespero de ver o parabatai às portas da morte, Will está enlouquecendo. Sem saber o que fazer, por onde começar a procurar uma cura, ou até mesmo a droga que Jem precisa, e também pelo fato de seu amor platônico por Tessa estar crescendo cada vez mais, e ao mesmo tempo ter de lidar com a dor de manter isso em segredo já que Jem, mesmo às portas da morte, irá desposar Tessa, que aceitou seu convite de bom grado.

O terceiro e último volume da trilogia As Peças Infernais trás para os leitores, não só guerra, destruição e morte, como também o lado difícil que cada um tem que lidar. Jem, que precisa decidir em querer morrer ao invés de entregar Tessa a Mortmain, e depois de qualquer jeito, morrer também. Tessa, de ver Jem morrer sem poder fazer nada além de trair sua confiança e se entregar para Mortmain e saber que nunca teria seu perdão se fizesse isso. E Will, com o coração ao mesmo tempo partido e amando Tessa de uma forma que chega a machucar, e o pior: sem poder tocá-la, sem ao menos poder dizer que a ama.

Repleto de ação, aventuras, pressão psicológica, dor, mortes e angústia, Princesa Mecânica fecha com chave de ouro a trilogia que Cassandra Clare criou para nos mostrar mais sobre os antepassados dos Caçadores de Sombras que tanto amamos em Os Instrumentos Mortais.


Opinião/Conclusão de A Princesa Mecânica:




O livro foi lido rapidamente, mesmo que eu tenha desejado ler o mais devagar possível para apreciar ainda mais o final tão esperado que aguardava, e confesso que quando cheguei no epílogo, estava com o coração apertado, sem saber o que mais me aguardava, considerando que eu JÁ ESTAVA destruído com os acontecimentos que antecederam ao epílogo, e quando terminei, meu deus, fiquei completamente estupefato. Olhando para parede. Lágrimas escorrendo pelos olhos. Dores no peito, saudade, angústia, raiva, tristeza, uma completa confusão de sentimentos. Não sabia de ficava feliz ou triste pelo final, mas de uma coisa eu sabia: eu não iria conseguir superar este livro tão cedo, e dito e feito, depois de algum tempo que li, ainda não me recuperei, e me pergunto se algum dia conseguirei essa proeza.


Nota do livro: 5/5 - FAVORITADO!


Termino o post com uma dica: LEIAM ESTA SÉRIE, POR FAVOR!

Até a próxima, 
galera.
Prometo que não vai demorar.

Um comentário:

  1. Lamento dizer mas... Você não vai se recuperar desse livro. Ele é um daqueles livros que meses depois da leitura, você ainda reflete sobre o final, a trama e o destino dos personagens.E de vez em quando se pega sentindo um aperto no coração devido a saudade dos personagens que ama tanto. Quem diria que um livro poderia mexer tanto com as nossas emoções? Não só em Princesa Mecânica, mas em Anjo e Príncipe Mecânico, eu me senti tão conectada a história, tão conectada aos personagens(todos eles, protagonistas ou não), que terminar o epílogo do último livro foi como uma espécie de facada no coração. É o tipo de história que apesar da dor que te causa, você ainda quer reler.

    O que mais me emocionou em Princesa Mecânica, foi o amor tão lindo e incondicional, entre nossos queridos Will,Jem e Tessa. The Infernal Devices, é muito mais do que se o Will ou o Jem vai ficar com a Tessa, é a demonstração de um amor que deveríamos ter mais nos dias de hoje: O amor altruísta. Aquele que faz sacrifícios. Will sacrificaria sua felicidade por Jem e Tessa. Assim como Jem faria o mesmo por Will e Tessa; assim como a Tessa faria o mesmo por Jem e Will. Lembrei de um ship que inventaram: "Herongraystairs". Will,Tessa e Jem. Os três são como um só. Os três se amam e fariam tudo um pelo outro.

    Outra coisa que me emocionou, foi o destino de Cecily e Gabriel, Gideon e Sophie, Jessamine, Henry e Charlotte. Ver o desenvolvimento do relacionamento de cada um,foi uma coisa tão maravilhosa,e foi impressionante como eu me importava com cada um deles.Isso é uma coisa muito rara, tendo em vista que geralmente só temos foco nos protagonistas da história.

    Enfim,não posso deixar de falar sobre a amizade entre Will e Jem. Eles estabeleceram o nível de uma verdadeira amizade desde 1872. Will com a sua preocupação com a saúde de Jem, Jem com a sua preocupação pela felicidade de Will, e ambos estavam dispostos a fazer tudo o que estava ao alcance para ajudar um ao outro. Porque é isso o que significa ser parabatai,ser amigo. Você não está feliz se seu companheiro de alma está sofrendo. Você batalha com todas as suas armas para garantir que ele seja feliz.

    Nem preciso falar que o epílogo me destruiu, porque aposto que fez isso com todo mundo. Pra mim, foi o melhor final que a Cassandra poderia ter feito

    Um citação da Tessa,que eu levo sempre na minha mente: Sempre se deve ter cuidado com os livros e com o que está dentro deles, pois as palavras têm o poder de nos transformar.
    É isso. As palavras dessa trilogia me transformaram. Para sempre irei levar as lições que aprendi. Espero que você também ❤

    ResponderExcluir